"Ensinem às suas crianças o que ensinamos às nossas, que a terra é nossa mãe. Tudo o que acontecer à terra, acontecerá aos filhos da terra. Se os homens cospem no solo, estão cuspindo em si mesmos. Isto sabemos: a terra não pertence ao homem; o homem pertence à terra. Isto sabemos: todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra."
(trecho da carta do Chefe Seatle ao Presidente dos Estados Unidos - clique aqui para ler na íntegra)

Nossa Historia

A Serra da Mantiqueira, delineadora do Vale do Paraíba, é característica por possuir uma paisagem botânica e animal das mais exuberantes na fauna e na flora do Brasil. Nos anos 70, em um de seus segmentos mais sedutores, com altitude média de 800 metros, clima agradável e vista fascinante, foi lançado um loteamento de chácaras denominado Pousada dos Bandeirantes. Pessoas que procuravam um local tranqüilo e integrado à natureza encontraram aí uma opção saudável de lazer e moradia. Em 1988 a lei municipal 2400 instituiu como reserva florestal uma grande área da cidade de Caçapava, dentro da qual situa-se a Pousada dos Bandeirantes.

A lei define que essa área poderia continuar sendo usada para moradia, estudo e turismo, desde que respeitadas sua fauna e flora. Com isso o local que já era especial naturalmente, passou a contar com o respeito e proteção que a lei impunha.

No entanto, ao contrário do que seria de se esperar, alguns anos após definida como Reserva Florestal, iniciou-se de forma crescente, o uso indevido dessa área, onde passaram a ser praticados e estimulados esportes utilizando trilhas para Motocross, Bicicross e Jeeps. Em virtude dessas práticas, segundo especialistas, os danos causados, principalmente pelo ruído constante nos finais de semana e danos às matas para criação das trilhas, trouxeram grandes prejuízos de difícil reversão.

No ano de 2001 alguns preservasionistas preocupados com esse uso indevido da Reserva Florestal, em especial na área da Pousada dos Bandeirantes, optaram por criar a Morada da Vida. Iniciou como uma pousada ecológica, sem fins lucrativos, visando preservar e reverter, na medida do possível, a degradação causada ao meio ambiente.

Através do arrendamento do local que sediava os esportes citados e com vigilância constante, foi possível impedir a prática de atividades lesivas nessa área.

Em novembro de 2002 a Morada da Vida em parceria com a Associação Eco Vital (entidade não governamental), conseguiu a criação de uma nova lei municipal (172/02) proibindo nessa área os esportes que possam ser lesivos ao ambiente natural da mesma, seja em função da poluição sonora e atmosférica, ou devido aos danos causados diretamente à fauna e flora locais (corte da mata para criação de trilhas, atropelamento de animais, poluição de nascentes e rios, etc.). Essas restrições são válidas para as áreas privadas, públicas ou passagens de servidão. Graças a essa lei, nesse local, a prática de esportes como Motocross passou a ser proibida por lei, e dessa forma a presença da Policia Ambiental tornou-se rotineira auxiliando a tarefa dos mantenedores do projeto.

Nossas Atividades

A Pousada Ecológica Morada da Vida, que funciona desde 2001, atende, mediante reserva antecipada, a grupos (a partir de 5 pessoas) que procurem uma opção saudável de recreação, aperfeiçoamento pessoal e auto-equilíbrio. Seja participando dos cursos, caminhadas e eventos de auto-ajuda, ou simplesmente descansando na paz e tranqüilidade do local, várias pessoas vêm encontrando uma opção saudável de recontatar a natureza.

Em 2002 foi dado início à implantação de um apiário e de um meliponário (criação de abelhas nativas sem ferrão) que oferece produtos saudáveis e de alta qualidade para apreciadores dos alimentos produzidos pelas abelhas, bem como auxiliar a criadores, através de treinamento e materiais. Essa atividade também tem uma função muito importante na polinização, através das abelhas, da área em recuperação.

No final de 2004 iniciou-se a implantação de um viveiro de mudas voltado em especial para a produção de árvores nativas e melíferas. Essas mudas serão plantadas em áreas degradadas e distribuídas aos moradores da região e visitantes por um valor simbólico.

Todo o trabalho realizado pela Morada da Vida é feito de forma voluntária pelos seus idealizadores, e não visa retorno financeiro. Quaisquer recursos obtidos são utilizados para permitir a continuidade e ampliação das atividades na região.


Site atualizado em 11/06/10.

[ adm ]